NOTA DE REPÚDIO PELA APROVAÇÃO DA MOÇÃO DE APOIO A PEC DO VOTO IMPRESSO PELA CÂMARA DE ARAÇATUBA

"[...] o poder legislativo deve estar em sintonia com o povo e seus anseios."

A direção do Partido Socialismo e Liberdade – Araçatuba, no uso de suas atribuições, manifesta repúdio e indignação pela aprovação da moção à tramitação e à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em defesa do voto impresso e auditável apresentada pela deputada Bia Kicis (PSL/DF) de autoria do vereador Lucas Zanatta (PV) e aprovada pelos vereadores, eleitos por urna eletrônica: Arnaldinho (Cidadania), Boatto (MDB), Cristina Munhoz (PSL), Coronel Guimarães (PSL), Dunga (DEM), Evandro Molina (PP), Maurício Bem Estar (PP), Nelsinho Bombeiro (PV) e Regininha (Avante).


É de causar estranheza e perplexidade o fato do legislativo de Araçatuba priorizar tempo, e consequentemente recursos públicos, na discussão de uma pauta que representa um grave retrocesso ao nosso país em detrimento de questões essenciais para o nosso município. Talvez seja importante relembrar o legislativo municipal que precisamos enfrentar inúmeros desafios impostos pela pandemia de covid-19.


Deve-se reforçar os percalços na área econômica com a necessidade de reativação da economia no pós-pandemia, na assistência social diante de um cenário de desemprego recorde e carestia, na saúde com medidas de combate ao negacionismo e fake news sobre as vacinas, na mobilidade urbana cujo grande desafio é encontrar soluções para um transporte público cuja empresa de ônibus precisa de auxílio financeiro porque não encontrou no legislativo e no executivo amparo em medidas de incentivo a esse modal enfim, temos inúmeros problemas para além dessa discussão absurda.


Para o PSOL, o poder legislativo deve estar em sintonia com o povo e seus anseios, nesse sentido, o debate do voto impresso está longe de ser uma pauta popular, ficando restrita apenas a bolha bolsonarista que busca uma narrativa para questionar o resultado das urnas em uma evidente derrota do atual presidente. Por fim, reforçamos o óbvio: as urnas eletrônicas são seguras, auditáveis e desde sua implementação não há sequer um único registro evidente de fraude, sendo assim, resta ao poder legislativo manifestar-se em defesa da democracia diante da narrativa autoritária e golpista de Jair Bolsonaro.


Que o legislativo trabalhe para o povo!

Partido Socialismo e Liberdade - Araçatuba

27 visualizações0 comentário