Araçatuba é solo indígena!
contato: aracatubasoloindigena@psolaracatuba.com.br

WhatsApp-Image-2021-06-15-at-20.55.42 (1).jpeg
grafismo-cinza-d81fcba295c57409807eccf568224b62.png
grafismo-cinza-d81fcba295c57409807eccf56

Se eles questionam Marielle, nós podemos questionar uma Araçatuba inteira

Para o PSOL, Araçatuba precisa reencontrar a sua história!

mariele-montaghem.webp

Araçatuba vivenciou no mês de agosto uma intensa discussão acerca da permanência do mural em homenagem a Marielle Franco na EE Professor Vitor Antônio Trindade após questionamentos de grupos conservadores sobre uma suposta partidarização da escola ao escolher uma mulher negra, cria na favela, eleita vereadora e que foi brutalmente assassinada em razão do trabalho que desempenhava no legislativo.

A realidade é que Marielle saiu da política e entrou na história do Brasil pois assim como Chico Mendes, Dorothy Stang, Haroldo Betcel, Valdemir Resplandes, entre outras lideranças e ativistas, Marielle morreu defendendo um país livre a milícia, com direito à moradia digna, saúde integral para as mulheres, educação popular para todas e todos, de forma geral, Marielle sonhava e buscava um país mais digno para nossa gente.

Entendemos que essa ampla discussão e questionamento realizado em torno da permanência do mural na referida escola é mais do que um questionamento a uma então figura política do PSOL, trata-se de questionar uma homenagem a quem de fato merece. Devemos destacar que os mesmos que problematizaram a obra realizada na escola em nenhum momento apontou e questionou o fato da nossa cidade possuir ruas, avenidas, praças e afins com nomes de matadores de indígenas, bandeirantes, ditadores e afins que jamais mereceriam qualquer forma de homenagem.

Por isso, o PSOL Araçatuba, em conjunto com lideranças indígenas locais, professores, movimentos sociais e todas e todos que desejam de integrar em nossas discussões, realizarão uma intensa mobilização com o objetivo de reencontrar com a nossa própria história, revisitando a história de uma cidade que foi palco de um genocídio indígena para construção de uma ferrovia, revisitando a história de uma cidade fruto de um banho de sangue dos povos originário, uma cidade chamada Araçatuba.

Está na hora de reencontramos com a nossa história!

Temos como propostas:

- Consulta pública

- Discussão acerca da consulta pública

- Elaboração de manifesto e projeto de lei na câmara